• Facebook - White Circle
  • Instagram - White Circle
  • Twitter - White Circle
  • YouTube - White Circle

Copyright © 2019 Karina Buhr | by Menu da Música.

 

COMA!

por PatriciaPalumbo

 

Karina com as pernas de fora, Karina de cabelo amarelo, Karina enrolando o cabo do microfone no pescoço, Karina se desconstruindo, dessacralizando o papel da mulher, no palco ou fora dele. Isso de ser comportada e quietinha nunca foi a dela. Mulher não pode cantar e bater tambor? Bora fazer uma banda só pra isso! Com o Comadre Florzinha ela e mais uma turma de talentosas inquietas cantaram e batucaram não só em Pernambuco, mas pelo mundo afora.

 

Selvática é um disco coerente com essa trajetória. Temática e musicalmente. Não esperava menos de quem ganhou até Wanderlea cantando Eu Menti Pra Você. Uma dessas letras maravilhosas que brincam de confundir. Nessa safra, Karina está apurada. Não deixe de ler, por favor!

 

Não por acaso, Selvática vem da Bíblia. Justamente na passagem da serpente que oferece o fruto proibido, do nascimento do tal pecado original, da culpa da mulher. Que maldito pecado é esse? Essa mentira doente. Não é nada disso, alguém fez confusão, já cantou Rita Lee. Karina canta o incômodo, canta o inconformismo com a grande sacanagem que é a interpretação dessa passagem que leva mulheres à morte muitas vezes. E não economiza no peso, os temas são fortes como é forte a levada, o heavy metal, o punk rock que acompanha a mensagem. São 3 petardos no meio do disco: PicNic, Esôfago e Cerca de Prédio. Essa última sobre a ocupação que destrói nossas cidades em nome da ganância, isso sim, pecado!

 

Dragão abre o disco explicitando o recado. Essa moça tem estrada e sabe a que veio. Mas não se deixe enganar, Eu sou um Monstro chama na chincha, não te deixa escapar, seja homem ou mulher, tome tenência! Conta Gotas tem o lirismo de Chão de Estrelas e a dor de Nassíria e Najaf. Vela e Navalha é linda, pura poesia em letra e música, se é que me entendem...

 

Levada delicia em Rimã, a mesma que me encantou em Sonhando, primeira música que ouvi de Karina Buhr. Alcunha de Ladrão é uma crônica que tem a luxuosa presença da guitarra do mestre Manoel Cordeiro. Desperdiço-te-me é uma canção de amor dessas de Karina, de letras de sonho, de explicar confundindo. Adorável.E Selvática é um rock’nroll manifesto,  com  as  furiosas  e  indispensáveis  Elke  Maravilha  e  Denise  Assunção. Fechando o disco na porrada!

 

A banda está afiadíssima. Pontiaguda, precisa, poderosa. Essa turma se formou lá nos shows do primeiro disco, quando entraram as guitarras de Catatau e EdgardScandurra. Com Guizado, Mau, Bruno Buarque, André Lima e Karina formam um timaço no palco e nos estúdios. A sonoridade é única e inconfundível. Uma panela cheia de referências, com sotaques diversos, pernambucano inclusive.Agora, vamos botar Selvática na vitrola! Mastigue, engula, coma!Karina pós-punk, pós-tropicalista, pós-tudo-enfrentando-leões. Doce e feroz. Karina Buhr é uma maravilha curativa! Caia de boca no delicioso fruto que Selvática lhe oferece.